[PT] Airsoft

Mostrar Mensagens

Esta secção permite-lhe ver todas as mensagens colocadas por este membro. De realçar que apenas pode ver as mensagens colocadas em zonas em que você tem acesso.


Mensagens - Coligação SGS

Páginas: [1]
1
Olá Camaradas de "armas":

Apesar deste tópico não ser um tópico de rescaldo, já que se falou na Operação Wolfy, não podemos deixar de tecer alguns breves comentarios.

Vamos primeiramente dirigir a palavra a quem não pode marcar presença neste soberbo evento:

PERDERAM UMA OPORTUNIDADE FANTÁSTICA...!!!!!!!!   :P :o ;) ;D ;D ;D


A SGS encara o airsoft com o mesmo espírito de convívio e diversão com que este evento foi formatado.
Como tal, não poderiamos estar mais agradados e agradecidos.

É deveras construtivo sentir e presenciar tamanha sintonia de posturas, comportamentos e objectividade comum.

Contem sempre connosco para este Grande Espírito organizativo.

PARABÉNS quer à organização, quer a todos os participantes deste evento.

E ainda mais afável foi constatar que as expectativas da acção de solidariedade programada foram fortemente ultrapassadas.


É um prazer fazer parte de uma comunidade "airsoftiana" desta índole.


ABRAÇOS!!!


Coligação SGS

2
Rescaldos / Re: Foto Rescaldo "BOUVERAL - The Revenge" 16/10/2011
« em: Outubro 18, 2011, 01:47:33 am »
Saudosos reencenadores:

A organização agradece a presença e participação de todos os envolvidos neste evento.

Mais um fim-de-semana soberbo...!!!

A dedicação que esta comunidade demonstra para com o tema "WW2 reenact" garante claramente que o futuro nos reservará cada vez mais eventos e jogadores.

Além do jogo em si, salientamos o espírito com que todos se apresentaram neste evento.
Não temos dúvidas que de facto, o convívio é o nosso objectivo comum.
E é este factor que está na base do carisma destes eventos.

Quem esteve presente ainda no Sábado, pode desfrutar de um cenário de puro convívio e diversão estendido pela noite, pois além da montagem do cenário principal na aldeia, o nosso Mestre Gourmet disponibilizou-se para nos "encher" com um dos seus menus de campanha:

 - Hamburgueres XL em pão tipo "mina alemã", com respectiva adição de tomate "francês" e cebola "americana"... e os molhos "ingleses", claro!!

 - O famoso salame de chocolate...

 - Um "sistema de rega" bastante interessante...  :twisted:

 - Tudo isto e muito mais, com a presença conjunta de alemães, americanos, ingleses e "francius" resistentes... faz-nos adorar estar em "guerra"!!! Como seria bom todas as guerras do mundo serem resolvidas à base de puro convívio e diversão!!! 


Falando do jogo em si e do respectivo cenário:

Por vicissitude de última hora, deslocamos o evento bastantes quilómetros para Sul.
Ou seja, passamos do Gerês para a Tocha...!!!!

Isto obrigou a uma deslocação mais extensa para muitos dos participantes, mas também reduziu imenso à deslocação de outros. Todos compreenderam a situação e ninguém vacilou quanto à sua presença neste evento. A SGS salienta especialmente este ponto e expressa um agradecimento suplementar, pois sentimos estar apoiados e envolvidos com todos os participantes. Muito obrigado!

Quanto ao cenário em si, acabou por salientar bastantes dos pormenores da história do jogo.
Para informação geral, o jogo realizou-se nas instalações da "Quinta da Fonte Quente", propriedade da APPACDM (Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental) de Coimbra (http://www.appacdmcoimbra.pt/GERAL/Default.aspx).
As condições são soberbas, pois além do extenso terreno de jogo, com um misto de aldeias e vegetação, podemos ainda desfrutar de condições adicionais extraordinárias... Desde estadia em pensão ou campismo, banhos quentes, piscina, refeições internas ou churrasco... E tudo isto num ambiente bastante aprazível e com preços muito acessíveis.
Além do mais, ao usufruirmos destas instalações estamos ao mesmo tempo a contribuir para uma associação com grande mérito no âmbito da sua acção.


Mas focando o evento em si, falemos da demanda deste "BOUVERAL II - The Revenge":

Como todos já sabiam, os alemães reocuparam esta pequena aldeia francesa com um contingente superior ao anterior.
No entanto, "La Resistence" recusou-se a baixar os braços e continuou com as suas acções de retaliação. Mas desta vez, elevaram a fasquia das mesmas...

Mesmo no seio do "inimigo", utilizaram o bar da aldeia como centro de operações. Além disso, para financiarem as suas acções de boicote aos invasores, levaram a cabo um assalto às reservas de ouro do Reich.
O Reich identificou a manobra da resistência e chegou mesmo a interceptar uma das entregas, tendo abatido o resistente francês que transportava o ouro e prendido o grande protagonista do evento, o dono do bar, de nome René (Allô Allô), para interrogatório sobre a sua participação nesta conspiração.

Mesmo sobre forte tortura, René conseguiu ludibriar os invasores e convenceu-os que estava inocente. Tendo sido devolvido à liberdade aparente de Bouveral, René não desistiu das suas acções. Reuniu os seus sabotadores e transmitiu-lhes as diferentes localizações dos lingotes de ouro roubado ao Reich.

À medida que necessitavam de mais meios de combate, elementos da resistência deslocavam-se às montanhas, aos pontos onde tinham escondido o ouro roubado. "Desenterravam" os lingotes necessários e transportavam-nos até ao "Bar do René", mesmo ao lado do gabinete da Reichführer...

Ou seja, cada entrega era efectuada passando por todo o contingente invasor e sujeitos a revista... Como tal, "La Resistence" efectuou contactos com os aliados, os quais disponibilizaram algumas forças de apoio.
Assim sendo, com a astúcia da resistência e com o apoio dos aliados que insistiam em focos de ataque que desviavam a atenção dos movimentos da resistência, as operações foram sendo efectuadas... e diga-se, com TOTAL SUCESSO!!!
Apesar da constante possibilidade das revistas alemãs, "La Resistance" conseguiu a entrega de todos os lingotes de ouro no "Bar do René". E não se ficou por aqui! Conseguiu ainda entregar algum armamento que mais tarde foi utilizado para expulsão dos "opressores"!!

E voltamos a salientar... Tudo isto, mesmo nas "barbas dos alemães"!!!! IMPECÁVEL

Os aliados não pararam com as suas intervenções armadas e o desfecho de Bouveral foi tomando efeito... Cada vez com mais armas na posse de "La Resistence", uma acção conjunta com os aliados ditou a expulsão do invasor de Bouveral.

Mas os dispersos alemães foram-se reagrupando na periferia de Bouveral e decidiram fazer jus ao seu orgulho militar, estruturando um último ataque à aldeia. 

Bouveral estava ainda em clima de festa, quando foi sujeita a este último ataque das forças alemãs. Foi dos mais intensos combates do dia e o menos permissivo (pois não havia já 'respawn' para ambos os lados).
Apesar do desgaste físico de um dia de intensos combates e acções furtivas, ambos os lados deram tudo o que havia para dar neste último confronto.
O desbaste foi imenso e acabou com a euforia dos aliados pela sua ainda recente reconquista... mas no final, sobraram apenas 3 elementos em pé:

 - 1 "resistance", 1 Bife e 1 GI...

 - Resultado final: Aliados 3 / Boches 0 => BOUVERAL ESTÁ LIVRE...!!!!!!!
 

Salientando alguns pontos do cenário:

O centro de operações alemão voltou a contar com o gabinete da Reichführer Heike Retter, com os adereços usuais, bem como uns novos extras.
Aqui há que salientar a soberba caixa de armamento construída pelo nosso Fonte, a qual deu um toque extra de classe ao local. De resto, podia-se contemplar a famosa condecoração pelos 25 anos de serviço da nossa Reichführer, as bandeiras do costume, a mesa com a águia, a carteira das SS e respectivo dinheiro alemão da época (com reproduções de notas e moedas verdadeiras), um jornal alemão original de 1943, as latas de mascaras de gás originais de 1939/42/44, as chaves das instalações de encarceramento... etc, etc!!
 

Mas a grande novidade, foi mesmo o centro de operações da Resistência Francesa.
 
A soberba "resistance" presenteou-nos com um cenário louvável e fantasticamente adaptado ao tema... [size=18]O "Bar do René"!!!...[/size]
Sim, isso mesmo... Desta vez, Bouveral dispunha de um bar devidamente equipado e com uma esplanada a rigor!! E os pormenores abundaram:

 - Mesas com as respectivas toalhas "da época";

 - Copos, cardápios, jornais da "época"...

 - Um enorme balcão com a mostra de produtos para "venda" (salpicão, queijo, pão tipo 'baguete' francesa, vinhos (leia-se groselha) e muito mais;

 - A grafonola com música de Edith Piaf e da banda apadrinhada pelo tio Adolfo, a Leibstandarte-SS;

 - E, claro está, o famoso René em pessoa (Allo Allo... grande Tiger - Ricardo Toga, X-Unit)!!!


Conclusão final: MARAVILHOSO FIM-DE-SEMANA!!  :cheers:

Começamos este tópico agradecendo a presença e participação de todos os envolvidos neste evento. E sem dúvida que todos foram necessários!!!

Queremos no entanto escamotear estes agradecimentos. Assim sendo:

 - Obrigado JOGADORES. Como sempre são vocês a base e o êxito de qualquer evento. O empenho que demonstram na manutenção e evolução destes WW2 Series é louvável e só merece continuidade em termos de eventos a organizar.

 - Obrigado ALA (FPA). Para nós SGS, a origem ou sediação federativa, associativista ou clubista de cada um é-nos perfeitamente irrelevante, pois para nós um jogador é primeiramente imagem do seu carácter e personalidade. Todos são bem-vindos, quer para Jogar Airsoft, quer simplesmente para conviver e partilhar.
Neste momento, a maioria dos elementos SGS estão duplamente filiados na APA e na ALA.
Ambas as associações têm conhecimento disso e nunca se privaram de qualquer contacto, nem vetaram qualquer apoio para connosco.
Este é um testemunho que fazemos questão de colocar aqui, pois acreditamos que apenas com atitudes francas e abertas deste tipo é que a nossa tão querida modalidade poderá evoluir de uma forma produtiva e animosa. Não interessa quantas entidades promovem "airsoft" em Portugal. Se o objectivo for comum e partilhado, todos ganhamos com isso!!!
   
 - Além do apoio em termos de meios físicos e burocráticos, a Coligação SGS faz questão de salientar que a ALA fez-se representar pelo famoso resistente 'TeCor' (Alberto Braz), o qual apareceu com dois papéis. Representar a ALA e participar no evento. Uma vez mais "chagou" os alemães!!!  :D
   
 - Obrigado X-Unit. Quando se faz algo com espírito, tudo corre bem!!! Sem desprimor para com os restantes participantes, não podemos deixar de salientar o soberbo trabalho levado a cabo pelos X-Unit na concretização do ponto principal deste evento. O famoso "Bar do René"!!!
Foi sem dúvida muito bem conseguido e plenamente dentro do espírito de organização pela diversão, com que todos nos identificamos.
As figuras do Tiger (Ricardo), do Pastamen (Luís) e do Gatú (Gama) foram talhadas para "La Resistance"... e não é só pelos bigodes!!!!  :lol!:
É óptimo poder contar com "inimigos" assim!!!
Já o Jorge, tem mais juízo e é alemão... eheh!!


Objetivo traçado para o evento => Divertirmo-nos.

Resultado => ATINGIDO.



Um forte bem-haja a todos e até sempre.


Coligação SGS

3
Rescaldos / 1º TEAM DEATHMATCH by SGS / GRANDE FINAL 31/07/2011
« em: Agosto 01, 2011, 19:49:52 pm »



Boa tarde comunidade:

No seguimento das duas eliminatórias anteriores, ontem realizou-se a Grande Final deste evento.

Este evento apenas foi publicitado no fórum da Coligação SGS, pois estava destinado apenas aos finalistas desta competição.
No entanto, dado o interesse aqui demonstrado, passamos agora a divulgar o respectivo rescaldo.

Enquanto organização, a Coligação SGS classifica todo este evento como uma experiência altamente reconfortante.

Desde o início deste TEAM DEATHMATCH que assumimos a imagem competitiva do evento.
Foi sem dúvida para gerar competição que criamos toda esta estrutura de jogo.
E falamos aqui de competição, em termos de regras pontuáveis e prémios envolvidos.

Sim, porque na realidade, todos os eventos de "airsoft" geram competição!

Porém, nunca nos assustou o panorama que impusemos a este evento, pois no final, os únicos factores realmente relevantes em qualquer evento são os seus participantes e as suas posturas "em campo".

Quantas organizações excelentes resultam em eventos pobres e quantas organizações "medianas" acabam por proporcionar fantásticos momentos?
Tudo reside nos participantes e na forma como estes encaram o evento.

E nós SGS, não poderíamos estar mais contentes com a postura e carácter global dos participantes neste evento.
Focalizando esta Grande Final, foi para nós um enorme prazer presenciar a postura competitiva dos finalistas, sem nunca perderam a postura descontraída e extremamente honrada.
Certamente todos desejavam ganhar, mas tal nunca os fez esquecer os factores diversão, honestidade e JOGO LIMPO!!!

"Só" por isto, tudo vale a pena para qualquer organização!

Caros participantes desta final, não se iludam... o sucesso deste dia é da vossa inteira responsabilidade!!
A Coligação SGS agradece a saudável participação por vós demonstrada e declara-se extremamente honrada por vos ter recebido.
MUITO OBRIGADO!!


Posto isto, agora sim, vamos passar ao rescaldo dos acontecimentos:

- Por volta das 8h, a organização começou a instalar-se no local. Trata-se de uma fábrica de dimensões consideráveis, com terreno envolvente bastante praticável. Mas neste caso, o evento confinava o ambiente ao estilo CQB.

- Perto da hora agendada (9h), começam a chegar os nossos Finalistas, bem como a equipa convidada a integrar uma função específica e auxiliar da organização (é frente descrita).

- Surge um ligeiro contra-tempo!!! Um dos finalistas, os "nuestros hermanos" ODA574 sofrem um percalço e não podem marcar presença nesta final. Foi um pouco desolador, não só pela ligeira alteração de estrutura de jogo, mas principalmente por sabermos o quão eles gostariam de ter estado presentes!

- Seguiram-se as tarefas mais "burocráticas", como o preenchimento de termos de responsabilidade e controlo das réplicas utilizadas.

- Ao mesmo tempo, estavam já a ser dadas as instruções necessárias à equipa convidada, pois esta estava condicionada em acção a um guião próprio e sistemático.

- Fez-se o tradicional sorteio de posição de equipas e estas foram distribuídas pelos respectivos ambientes de jogo.


Ambientes de jogo:

- Seguindo a linhagem da estrutura das eliminatórias, esta Grande Final foi composta por 2 tipos distintos de provas:


DEATHMATCH:

- Foi similar à prova com o mesmo nome, decorrida nas eliminatórias anteriores. Todas as equipas competiram entre si, cada uma defrontando outra em provas de duas mangas, cada qual com um tempo máximo de 20 minutos.

- Mas aqui existiram algumas novas "nuances"... o ambiente CQB era extremamente aberto e promovia o contacto visual entre os adversários. Além disso, existia um objectivo a conquistar (uma mala importantíssima).

- Pelas pontuações envolvidas, todas as equipas facilmente concluíram o extremo interesse da conquista da referida mala. Assim sendo, foi impossibilitada qualquer táctica de "abancanso" e a acção foi uma constante!!!

- Aliás, existiram mangas tão enérgicas que mais se podiam classificar de "curtíssimas metragens"... Conseguem imaginar mangas com um tecto máximo de 20 minutos a serem concluídas em apenas 1m30s...??!!! ISTO ACONTECEU!!!!   :o ???

E estamos a falar em conquista de objectivo e eliminação total da equipa adversária!!!
Simplesmente INCRÍVEL!... Ainda o som dos disparos pairava no ar e já a manga tinha terminado.   ;)

Quanto aos elementos da organização, esta prova esteve ao cargo dos nossos Tino(GTS), Miko e Ricardo (ambos SCREAMING EAGLES)


O RESGATE:

Esta foi a prova mãe desta Grande Final.

Cada equipa, sozinha e em mangas únicas, assumiu o papel de uma Equipa Especial de Resgate.

A história era simples. Um grupo rebelde raptou 1 conceituado cientista e programador especializado em armas nucleares (designado VIP), bem como 3 dos seus assistentes.

Tomou posse do devido equipamento e sobre coação obrigava esse VIP a programar / recalibrar via satélite, um sistema de armamento nuclear, visando o maior atentado do mundo!

A informação conhecida, quer por espionagem, quer por imagens térmicas, era reduzida.
Mas mesmo assim era forçoso e imprescindível a intervenção da Equipa de Resgate.

Os dados conhecidos eram:

- Num dado complexo, parcialmente detectado, estavam presentes 8 terroristas e os 4 reféns (incluindo o VIP);

- Desconhecia-se o poder bélico do adversário, mas pelo carácter do grupo e pelo "à vontade" de alguns movimentos detectados através de "imagem térmica parcial", seria plausível a existência de armadilhas periféricas.

- Nessa mesma imagem térmica parcial, era detectada a presença de 6 elementos numa dada sala do complexo, a qual apresentava 2 pontos de acesso.

- Por análise das condições e movimentos, supostamente 2 seriam reféns, pois estavam confinados a uma zona específica e sem movimentação aparente.

- Uma outra posição era plausível de ser considerada a do VIP, pois junto ao mesmo eram verificadas fontes de calor específicas que levavam a crer tratar-se do material de programação/recalibração.

- As 3 restantes posições apresentavam movimento, mas sempre confinado à referida sala. Seriam terroristas? Seriam assistentes do VIP?

- Apenas mais 3 presenças eram detectáveis na "imagem térmica":
 
  - Duas deslocando-se por padrões numa área longa, assemelhada a um grande corredor periférico a um dos pontos de acesso à sala.

  - Outro também apresentava um padrão de movimento, desta feita entre duas divisões contíguas ao outro acesso à sala.

  - Estes casos apresentavam muito poucas dúvidas. Tratavam-se certamente de patrulhas...

- Feitas as contas, a imagem térmica dava conhecimento da posição de 9 pessoas, das 12 que estariam no interior do complexo (8 terroristas, 4 reféns). Mas o avanço era inevitável, pois tecnicamente só faltaria 1 hora até que fosse ultimada a activação do sistema nuclear.

- Como tal, a Equipa de Resgate ia intervir com os seguintes objectivos, por ordem crescente de importância:

    - Resgatar o VIP (vivo ou ferido sem gravidade) e o respectivo equipamento
      utilizado por este.

    - Resgatar o líder terrorista (vivo ou ferido sem gravidade), de nome Rastafari
      (designado por RASTA), pois era primordial este ser sujeito a forte interrogatório,
      para que pudessem ser desvendados todos os métodos praticados pelo seu grupo, bem
      como todas as falhas de defesa que permitiram o rapto do VIP e seus assistentes, e
      respectivo equipamento científico.

    - Resgatar o maior número possível de reféns.

    - E naturalmente, perder o mínimo possível de elementos da Equipa de Resgate.

    - O tempo de prova era contabilizado, sendo dividido pela pontuação alcançada na prova.
      Logo, a gestão objectivos / tempo era essencial para uma boa qualificação.


- Regras específicas a apontar:

    - Nesta prova não existiam rendições. Ou seja, se por questões de segurança (falando agora de airsoft) não fosse possível disparar sobre um terrorista, era-lhe dada voz de "morto" e o mesmo era considerado eliminado. Mas neste caso gritaria "MORTO", simulando a existência real dum disparo e consequentemente o alerta antecipado dos terroristas.

    - Mortes silenciosas apenas eram ultimadas por contacto físico directo.

    - Todos os elementos em jogo "morriam" pelo processo natural da nossa modalidade,
      isto é, quando atingidos por uma BB.

    - Apenas o VIP e o RASTA tinham um sistema de morte diferenciado.
      Se atingidos no "corpo" (leia-se tronco) ou na cabeça, sofriam morte directa.
      Naturalmente estavam devidamente "habilitados" (leia-se protegidos) para tal!
      Se atingidos nos membros (braços ou pernas) apenas ficavam feridos.


Mas cabia apenas à equipa definir a sua estratégia, movimentação e acção. Muita coisa poderia ser aqui agora escrita mas vamos deixar os próprios intervenientes desvendar os seus próprios esquemas e episódios!!

Em termos de organização desta prova, é engraçado referir alguns pormenores que as equipas não tinham conhecimento:

- A equipa convidada era a que representava 6 dos 8 terroristas. Tratam-se dos nossos camaradas e amigos LOCK'n'LOAD, que dignificaram este evento pela sua postura altamente consistente e isenta. Estavam plenamente condicionados por guião, mesmo em situação de alerta antecipado, e souberam encenar os seus papéis sem uma única dúvida e com todo o rigor que lhes fora exigido... excepção feita àquela necessidade fisiológica não prevista no guião!!! :lol!:
Foi um prazer e uma honra contarmos com a vossa preciosa ajuda, além da extrema BOA DISPOSIÇÃO e EXCELENTE CARACTER!! Um forte BEM-HAJA!!!

- Existia uma Claymore num dos caminhos que tendencialmente seria (e foi) optado pelas equipas. Todas conseguiram evitar esta armadilha.

- Muito perto do ponto de intrusão/extracção, estava escondido um terrorista. Era o nosso Freitas (GTS) que era "despertado" do seu esconderijo quando a Equipa de Resgate decidia evacuar. Ou seja, se as contas fossem bem feitas, na altura da extracção saber-se-ia que ainda não estava localizado um terrorista. Logo, a prudência deveria imperar até ao fim.
Nenhuma das equipas o detectou antecipadamente... logo, sofreram as consequências!!   ;D >:( ;)

- 1 dos terroristas (nosso Nuno Lino - GTS) encontrava-se afastado do restante grupo e com 1 refém (nosso Luís Guimarães - SCAM) que tinha solicitado ir ao WC. Estava algo distraído e apresentava condições óptimas para ser morto silenciosamente. Infelizmente, este foi sempre "despertado" abatido por disparos, logo o alerta antecipado imperou para todas as Equipas de Resgate.   ???

- Dos 2 reféns retidos na sala (nossos Fragata e Carlos Rambo - SCREAMING EAGLES), ambos estavam "amordaçados e atados", sendo que o primeiro encontrava-se armadilhado. Este foi um factor diferencial, pois apenas uma equipa os verificou antes de resgata-los. Apesar dos seus "gemidos" de alerta, foram "ignorados" pelas outras equipas, resultando nos respectivos "danos colaterais".   ;D >:( ;D

- Os 2 terroristas presentes na sala (excluíndo o RASTA) inicialmente estavam munidos apenas com uma pistola e respectivo carregador. Num dos cantos da sala existia um "expositor" com mais armas e carregadores. Só após ataque ou alerta antecipado é que estes poderiam recorrer ao material extra.

- O famoso RASTA estava munido com uma pistola sem munições. Mesmo quando a Equipa de Resgate o interceptava ameaçando o VIP de morte, este não tinha munições!!!

- Os 3 patrulhas, além das pistolas, estavam munidos de AK's... mas as mesmas nem sequer baterias tinham!!!   :o


Quanto aos elementos da organização, além dos "participantes" neste teatro, esta prova contou ainda com a coordenação dos nossos Vitor Mata (GTS) e Bandeira (SCAM).


Outros elementos organizativos de referência:

 - Daniela Salvador, a Presidente: coordenação logística e fotográfica.

 - Artur Barbosa (GTS): coordenação "nutritiva" e bem-estar.

 - João (AXS / Caleiro): cobertura multimédia e representante do patrocinador do prémio atribuído à equipa vencedora desta competição.


E para finalizar este “longo rescaldo”, os nossos agradecimentos:

- Sem dúvida alguma e uma vez mais, a todos, mas mesmo todos os participantes. Só estamos a escrever estas linhas porque todos vós assim o permitistes, marcando presença neste desafio. Não existe organização sem jogadores. Sejam sempre bem-vindos!

OBRIGADO C20 - F.A.I.T. - BLACK DRAGONS!!!   ;)

- Um especial apontamento novamente aos Grandiosos LOCK'n'LOAD pela sua prestação fabulosa!

- Outro apontamento especial ao nosso Mestre Gourmet, Artur Barbosa (GTS), pela continuada qualidade das iguarias que nos apresenta.

- Ao nosso amigo João (AXS), que se deslocou ao evento para realizar coberturas multimédia e também em representação d'Ocaleiro, mas que na realidade esteve sempre disponível até ao fim e participou activamente connosco. Inclusive ajudou no apuramento das contas finais, pois alguns elementos tinham já os neurónios queimados!! :lol!:

- APA (Associação Portuguesa de Airsoft), uma vez mais pelo apoio disponibilizado na obtenção do local e respectiva autorização.
É reconfortante podermos contar com uma das maiores associações desta nossa modalidade.

- Loja OCaleiro www.ocaleiro.pt... Agora sim, podemos desvendar o patrocínio final de 5 réplicas de Pistolas Smith & Wesson CO2, atribuídas a cada um dos elementos da equipa vencedora!!!  :P

 A todos os nossos amigos e colaboradores, pois qualquer construção depende da sua base para se manter erguida.

E agora que já vos obrigamos a ler tudo até este ponto, a questão que se coloca é a seguinte:

 - Mas afinal quem foi o Vencedor desta competição?...  ??? ???


PARABÉNS BLACK DRAGONS...!!!

 ;D ;D ;D ;D ;D ;D ;D ;D ;D ;D ;D ;D ;D ;D ;D


Pensavam que nos esquecíamos, hein?...  :lol!:


Um enorme ATÉ SEMPRE a todos vós.


Coligação SGS

4
ww2 (1939\1945) / Re: Evento WWII Series 2011 Ameaça V1 - Cancelado
« em: Julho 11, 2011, 20:05:12 pm »
Cara comunidade de airsoft:

No seguimento do assunto que deu origem a este tópico e após a nossa intervenção de 4 de Julho passado, aqui apresentada, informamos que a Coligação SGS nunca foi contactada pela organização do “Ameaça V1”.

Assim sendo, informamos que o evento “Bouveral  - The Revenge” mantêm a sua data de realização para 16 de Outubro de 2011.

Como expusemos anteriormente, refutamos qualquer responsabilidade no cancelamento da “Ameaça V1”, pois como sempre referimos, tal cancelamento só à organização do evento diz respeito.

O que realmente fica bem claro perante a nossa comunidade é que o evento “Bouveral - The Revenge” foi um falso argumento utilizado para o cancelamento do “Ameaça V1”, pois da parte da SGS existiu toda a abertura possível para a manutenção do mesmo.


Uma vez mais, com votos sinceros para com todos os associados CAM, bem como para toda a nossa comunidade de airsoft, em especial os reencenadores WW2, despedimo-nos cordialmente.


Coligação SGS

5
ww2 (1939\1945) / Re: Evento WWII Series 2011 Ameaça V1 - Cancelado
« em: Julho 05, 2011, 21:12:33 pm »
Como se diz cá pelo meu Alentejo:

"Oh pá deixem-se de porras que a linguiça assim não assa!"

 :'(


Olá Albano:

Bendito Alentejo... mas aqui não são "porras" que se apresentam, mas sim factos que devem ser claros!

Uma coisa é certa... Em Outubro existirá um evento de reencenação WW2 Series.

Um forte abraço.


Coligação SGS



 

6
ww2 (1939\1945) / Re: Evento WWII Series 2011 Ameaça V1 - Cancelado
« em: Julho 04, 2011, 04:41:48 am »
Cara comunidade de airsoft:

Face ao conteúdo e forma do comentário inicial deste tópico, escrito pelo Pedro Pastor (vulgo Sr.9mm), a Coligação SGS decidiu esclarecer alguns pontos erróneos constantes nas “alegações” iniciais do mesmo.

O evento “Ameaça V1” foi desmarcado pelos respectivos organizadores, por razões que só aos mesmos diz respeito e que em nada estão relacionadas com o evento “Bouveral – The Revenge” (por nós entretanto lançado).

Quase concordaríamos com o Pastor quando este afirma não se justificar “marcar dois jogos da mesma temática com tão curto espaço de tempo”.

No entanto, discordamos em pleno quanto à justificação que tal “só irá prejudicar na adesão tanto num como noutro evento”.

E discordamos em pleno pelos seguintes factos:

=> O novo evento “Bouveral” surge a pedido de vários praticantes desta vertente da modalidade. Isto porque, face ao pouquíssimo tempo para investimentos até Outubro e face à parca informação actualizada, vários “veteranos” e “novos incorporados” WW2 Series questionavam-se sobre a efectividade do evento “Ameaça V1”, pois como todos sabem esta vertente do airsoft requer algum faseamento no estudo e aquisição de indumentária, bem como dos respectivos acessórios.

=> A Coligação SGS nada comentará quanto à alegada falta de informação actualizada, respeitante à “Ameaça V1”, pois não nos diz respeito nem tão pouco é da nossa responsabilidade.

=> Era no entanto nossa preocupação, a realização de um novo evento WW2 Series, pois como é do conhecimento geral, a Coligação SGS incorpora um forte contingente de reencenadores WW2.

=> Fazendo agora um “parêntesis” a esta exposição, vamos abordar outra questão…ou talvez ainda a mesma:

   - Também sendo do conhecimento geral da nossa comunidade, a maioria dos elementos SGS foram já associados CAM.
           Aliás, pelo menos 3 ainda o são!

        - Também é conhecido o facto de termos abandonado o CAM em 31 de Março de 2011.

        - As divergências que nos levaram a tomar essa decisão não são necessárias referir aqui, embora tal se possa fazer caso ajude a explicar algo.

        - No entanto, gostaríamos de expor aqui um parágrafo constante no documento por nós apresentado em 27 de Março de 2011,
          na 13ª Assembleia-Geral CAM, o qual efectivava a nossa “Revogação da Qualidade de Associado Efectivo CAM”:
         
               «Na nossa opinião, o CAM existe apenas com a presença e interacção de todos nós, os seus associados. E deste ponto de vista,
                 esta associação é fantástica, pois tem um potencial humano soberbo e um grupo de entusiastas com salutar convivência.
                 Apenas esta direcção CAM está longe de representar o carácter da sua massa associativa, nem tão pouco é capaz de promover
                 condignamente a modalidade que nos rege, isto é, o “Airsoft”.»

        - Cremos que este parágrafo revela clara e inequivocamente que nós nada temos contra o CAM, como associação,
           mas apenas não nos sentíamos representados, nem tão pouco dignificados pela actual direcção.
       
        - Se alguém não entende esta nossa posição e nos acusa de algo mais, simplesmente não tem espírito democrático
          nem tolerância pela divergência de ideias e acções.

        - Fazendo jus ao parágrafo supracitado, mesmo após a saída do CAM, a Coligação SGS fez questão de manter (ou pelo menos tentar) o contacto
          com a massa associativa CAM, pois uma vez mais salientamos o facto de muitos amigos nossos pertencerem à referida associação, ou clube.

        - Para isso, tentamos abrir um perfil “Coligação SGS” no fórum CAM, para mantermos os laços com as origens de muitos de nós
          como praticantes de airsoft, bem como podermos emitir convites a todos os associados CAM, para eventos SGS.
       
        - O referido perfil “Coligação SGS” nunca foi aceite no fórum CAM.

        - Mas como alguns ânimos menos estruturados poderiam ainda estar a pesar na decisão da aprovação de tal perfil, para mantermos o saudável
          contacto com o CAM enquanto instituição, o nosso elemento Paulo Fragata tomou a sadia iniciativa de abrir um perfil pessoal no mesmo fórum.

        - O perfil “Paulo Fragata” foi então aprovado no fórum CAM. E neste seguimento, foi divulgado o nosso evento “1º TEAM DEATHMATCH
          e respectivo convite formal a todos os associados CAM.

        - Inexplicavelmente, tal convite não tardou em ser apagado do fórum CAM.

        - Como para bom entendedor, meia palavra basta, esta atitude tornou claro que os eventos “Coligação SGS” não seriam bem recebidos no CAM.
          E também somos da opinião que não devemos “impor” a nossa presença a quem quer que seja.

        - Curioso ainda é o facto de um associado CAM pertencente à SGS, ter colocado no fórum daquela instituição a questão do porquê do convite SGS
           ter sido apagado. Mas a única resposta que recebeu foi ter visto a sua questão removida, tal como acontecera com o nosso convite formal,
           efectivado pelo Paulo Fragata.

        - Mesmo assim, felizmente não perdemos o contacto com os nossos amigos CAM, pois as verdadeiras amizades não se pautam por nomes de
          associações ou clubes.

=> Voltando agora atrás e directamente à questão “Ameaça V1” vs “ Bouveral”, era claro para nós que a “Ameaça V1” não contaria com a presença SGS.

=> Como “Queremos É Jogar Airsoft” com todos os elementos que nos recebem, decidimos então avançar com o evento deste novo Bouveral.

=> Para nós, SGS, nunca existiram dois eventos da mesma temática “em tão pouco espaço de tempo”, pois um deles (Ameaça V1) simplesmente não constava no nosso calendário.

=> Mesmo assim, tivemos o cuidado de não sobrepor datas, dando oportunidade de escolha a todos os praticantes desta vertente.

=> Além disso, este “Bouveral” está aberto a todos que desejem nele participar, sejam eles oriundos de que clube ou associação forem.

=> Portanto, cada um seria livre de escolher em qual dos dois eventos, ou até mesmo os dois, participaria.

=> Neste momento, devemos salientar a incoerência do reparo emitido pelo Pedro Pastor, quanto ao “esforço em elaborar calendários”. O mesmo deverá estar esquecido das algumas sobreposições de datas da sua própria autoria, bem como de um outro elemento desta organização “Ameaça V1”, o Pedro Micaelo… Senão, vejamos então…

        - Estava previsto um evento de Vietnam Series para o próximo dia 10 de Julho, certo? 
          A Coligação SGS iria realizar a final do seu evento "DEATHMATCH" também em Julho.
          Como tal, tivemos o cuidado de distanciar as datas, pois tínhamos pleno conhecimento de elementos que queriam estar presentes
          nesse Vietnam Series, mas que igualmente estariam ocupados com a final do nosso evento. Como tal, marcamos a “nossa final”
          para o dia 31 de Julho. Alguns dias após esta data ser do conhecimento público, a organização do Vietnam Series adiou o seu evento
          precisamente para a mesma data de 31 de Julho.

        - Ora é para nós incompreensível alguém julgar-se na razão de emitir um reparo, quando tem responsabilidades numa sobreposição de datas que,
          nesta sim, muita gente saiu prejudicada.

        - Muitos participantes que estariam confirmados para o Vietnam Series a 10 de Julho, viram-se na contingência de abandonar o mesmo evento,
          quer por sobreposição de datas, quer por incompatibilidades com o respectivo calendário pessoal.

=> E já agora, digam-nos: a Coligação SGS foi tirar alguma satisfação junto ao CAM, por causa desta vossa sobreposição casual? Não, não fomos, pois consideramos que o CAM não nos deve qualquer tipo de esclarecimento quanto à sua calendarização de eventos.

=> Outra observação curiosa é o facto de existirem tantas equipas e outros clubes aqui na zona norte e a organização “Ameaça V1” questiona apenas a marcação de um evento SGS!?!?!?! Por acaso sabem quantos eventos de airsoft existem marcados na zona norte, na mesma data do “Ameaça V1"?...
Por favor não nos respondam a esta questão, pois é uma simples pergunta de retórica!

Assim sendo, a Coligação SGS refuta qualquer responsabilidade no cancelamento da “Ameaça V1”, pois como referimos no início, tal cancelamento só à organização do evento diz respeito.

Mesmo assim, numa atitude nobre e estritamente pessoal do nosso Paulo Fragata, este propôs o adiamento do nosso Bouveral.
Como acima de tudo existe respeito e amizade no seio da SGS, mesmo estando convictos da nossa total ausência de responsabilidade, mas porque respeitamos e apoiamos o sentido de responsabilidade dos nossos elementos, apoiaremos as palavras e a abertura do Paulo Fragata.

Assim sendo, se o CAM desejar manter o seu evento activo, a Coligação SGS adia o seu “Bouveral”.

E que fique desde já claro que não se trata de favor algum da nossa parte, pois não consideramos dever tal ao CAM.

Também não permitimos passar por falso argumento, quanto ao cancelamento do “Ameaça V1”.

Por isso, vamos aqui esclarecer clara e inequivocamente as diferentes possibilidades:

=> Apesar da parca informação actualizada, o evento “Ameaça V1” estava marcado. Se a parca informação existente não significava o augurar do cancelamento do evento, não existe razão alguma para este agora ser cancelado, pois o Bouveral pode ser adiado. Quem estaria interessado no “Ameaça V1”, certamente continuará, logo marcará presença no mesmo! Por isso, o evento “Ameaça V1” ainda está plenamente a tempo de se manter efectivado, sem prejuízo algum a apontar.

=> Se mesmo assim pretendem cancelar o “Ameaça V1”, solicitamos que não nos usem como desculpa, pois estamos a demonstrar toda a abertura possível, mesmo para quem nos veta contacto!

=> Mantendo-se a decisão do cancelamento do “Ameaça V1”, por parte da sua organização, então não existirão falsas questões algumas quanto à efectivação do “Bouveral – The Revenge”.


E para que não sejamos posteriormente acusados de boicote, declaramos desde já que o “contingente” alemão, americano e inglês SGS não participará no evento “Ameaça V1”, por razões bem óbvias a todos os que lerem este tópico. Não é finca pé algum, mas simplesmente respeito e auto-estima elevados no seio SGS. Só participamos onde somos bem-vindos!


Vamos todos ser claros!


Com votos sinceros para com todos os associados CAM, bem como para toda a nossa comunidade de airsoft, em especial os reencenadores WW2, despedimo-nos cordialmente.


Coligação SGS

7
Bom dia Camaradas:

Tendo em conta o rumo que a Coligação SGS estabeleceu para si, só podemos partilhar da satisfação que o Páscoa aqui expressa sobre o remate da nossa primeira reunião A.N.A.P.

O ambiente foi perfeitamente afável e descontraído, mas incisivo e objectivo.

Não existiram nem foram fomentados separatismos. Ninguém se preocupou em rotular quem quer que seja (presente ou ausente) pela sua associação à APA ou FPA.

Nós na Coligação SGS já assim somos e nesta reunião constatamos que muitos mais assim o são e sempre foram.
De facto, existem muitos interessados em "Querer Jogar Airsoft", quer em quantidade, quer em qualidade.

Acreditamos que naquele momento nasceu algo de novo, positivo, construtivo e, sem dúvida alguma, algo que alastrará a toda a região e a todo o país, sem jogos de interesse ou burocracias entediantes.

Partilha é a palavra!

Um bem-haja a todos os que se representaram nesta reunião, bem como a todos os que certamente se farão representar na próxima.

Todos precisamos de todos e é um prazer para nós, SGS, precisarmos de todos vós.


Até sempre.


Coligação SGS

8
Bom dia Comunidade:

Agora que já aconteceu a 2ª eliminatória do evento “1º TEAM DEATHMATCH”, conforme prometido, já podemos descrever as provas em si.

Como foi anteriormente referido, as provas foram de carácter bastante simples e enérgicas, ou seja, não foram nenhum segredo a guardar a sete chaves. Apenas não seria justo falarmos delas sem que ambas as eliminatórias tomassem efeito.

Este evento promoveu duas competições em paralelo, mas distintas entre si.
A competição principal foi o TEAM DEATHMATCH. Mas a par desta, existiram dois tipos de provas complementares, no exterior, definidas como SMART-SHOT e SLALOM-SHOT.

Em cada dia eram apuradas duas equipas para participarem na Grande Final deste evento.
Uma seria a vencedora do TEAM DEATHMATCH. A segunda equipa a ser apurada seria a que maior pontuação acumulasse em ambas as provas complementares.
Mas a prioridade de apuramento era o TEAM DEATHMATCH. Isto é, se porventura alguma das equipas vencesse ambas as competições, passaria à final pelo seu triunfo no DEATHMATCH, sendo neste caso então apurada a segunda melhor equipa das provas complementares.

TEAM DEATHMATCH:

Quanto às provas de TEAM DEATHMATCH, tal como definido no cartaz do evento, tratava-se de um simples confronto directo entre duas equipas, em ambiente puramente CQB.

Na primeira fase, cada equipa iniciava uma 1ª Manga com a equipa adversária que tinha sido atribuída por sorteio. Acabando a 1ª Manga, estas equipas seguiam para as provas exteriores, enquanto outras duas iniciavam a sua 1ª Manga.
Tipicamente, a manhã de cada uma das eliminatórias deu para realizar as primeiras mangas de cada grupo de equipas e parte das provas exteriores.
Na parte da tarde, tinham lugar as segundas mangas do TEAM DEATHMATCH e completavam-se as provas exteriores em falta.

À medida que terminavam as segundas mangas, apuravam-se as equipas que passavam às meias-finais, até serem definidas as duas equipas que disputariam a final do dia, em termos de TEAM DEATHMATCH.
Quer as meias-finais, quer a final do dia, só contavam apenas com uma manga. Ou seja, era pura eliminação directa.

As equipas que iam sendo eliminadas deste TEAM DEATHMATCH não ficavam logo sem possibilidades de apuramento para a Grande Final, pois ainda se disputavam as provas complementares no exterior. Ou seja, as equipas ainda tinham actividade.
Mesmo depois da primeira equipa ter esgotado as suas possibilidades de apuramento, não partiam logo do local, pois a competição entre as equipas ainda em prova suscitava curiosidades e mantinha o ambiente de acção.
Toda a “máquina montada” permitiu a ocupação do ambiente entre todos, quase até ao final da totalidade das provas.

Voltando às características do TEAMDEATHMATCH, cada manga tinha a duração máxima de 30 minutos. Durante esse período cada equipa procurava eliminar o máximo ou a totalidade dos elementos da equipa adversária.
Quanto mais rapidamente o conseguisse, melhor, pois o tempo de prova influenciava o resultado final das duas mangas, em caso de empate.
Isto porque cada elemento eliminado revertia numa pontuação de 30 pontos para a respectiva equipa adversária.

No final, era aplicada a fórmula básica usada em provas de tiro: (Pontuação – Faltas) / Tempo de Prova

As faltas correspondiam a penalizações por tiro cego, distâncias de tiro inferiores a 5m, fogo amigo, entre outras. Cada uma das penalizações valia 30 pontos, pelo que tinham um peso de um elemento abatido.
Neste caso, o tempo de prova era introduzido na fórmula, convertido em minutos.
O cálculo desta pontuação apenas ajudava a definir o vencedor em caso de empate nas duas mangas na fase inicial.
Mais tarde, nas meias-finais e na final do dia, a pontuação de cada equipa definia qual delas é que escolhia o lado do edifício onde começavam a eliminatória.

Outro factor de desempate que era aplicado, caso o primeiro não fosse suficiente, era relativo ao primeiro elemento a ser abatido. Ou seja, a equipa que efectuasse a primeira eliminação adversária, ficava com vantagem em termos de desempate.
Se mesmo assim não bastassem estes factores de desempate, então era efectuada uma prova de tiro rápido entre as duas equipas visadas. Cada uma seleccionava apenas um dos seus elementos, o qual competia directamente com um adversário numa prova de tiro a 7m para dois alvos do mesmo tipo dos usados na prova de SMART-SHOT (à frente descrita). Eram contabilizados os dois melhores tiros por alvo, descontados os “Misses” (caso existissem) e aplicado o tempo (neste caso em segundos).
A fórmula de cálculo era exactamente a mesma. A melhor pontuação definia o vencedor da prova.

Apesar de todas estas condicionantes, a organização tirou já uma conclusão quanto a este tipo de prova. Da próxima vez irão ser criadas novas condicionantes que não valorizem as equipas que optem por “abancar” durante os 30minutos. Assim privilegiar-se-á o confronto, impedindo a aplicação do último reduto de desempate, pois não é minimamente motivante resolver uma prova de CQB através de uma perícia de tiro.


Provas Complementares:

Quanto às provas complementares no exterior, SMART-SHOT e SLALOM-SHOT, a fórmula de cálculo da pontuação era exactamente a mesma.
Quanto às parcelas da referida fórmula, a pontuação era definida pelos alvos graduados de 1 a 9. Este valor era multiplicado por 100 no SMART-SHOT e por 10 no SLALOM-SHOT, sendo então os valores de pontuação de cada alvo compreendidos entre 100 e 900 pontos, ou 10 e 90 pontos, respectivamente.
As faltas a subtrair à pontuação alcançada, eram valorizadas em 50 pontos cada. Serão descritas abaixo, na explicação de cada uma destas provas exteriores.
O tempo era agora aplicado devidamente convertido em segundos.
O factor multiplicativo aplicado na pontuação de cada alvo foi estudado tendo em conta a média provável de tempo que seria necessária para completar cada prova.
O valor das penalizações foi também estudado, tendo em conta o binómio entre rapidez e precisão.
Para diferentes tipos de provas, ou com a experiência nas mesmas, estes factores poderão ser ajustados. Por exemplo, se quisermos privilegiar a precisão, podemos definir um valor mais alto para cada falta.
Mas na verdade, depois de definidos os valores a aplicar, a fórmula de cálculo é perfeitamente imparcial.


SMART-SHOT

Existiam duas pistas idênticas, sendo esta prova desenrolada em paralelo entre duas equipas.
O facto de competirem lado a lado, em pistas idênticas, não influenciava directamente o resultado final, já que a primeira equipa a terminar a prova poderia não ser a que melhor pontuação alcançava após aplicação da fórmula de cálculo. Mas produziam-se condicionantes extras, em termos de concentração e acção.

Cada pista era percorrida individualmente por cada um dos 5 elementos da equipa, ao estilo estafeta. Isto é, entrava um elemento em pista, o qual depois de completar os objectivos retornava ao início da pista, tocando no colega de equipa seguinte, que entrava em pista para completar os seus objectivos. O esquema repetia-se até serem esgotados os 5 elementos da equipa. O último elemento a completar a pista marcava também o final da contagem do tempo de prova (convertido em segundos), quando regressava ao início da pista.
A pista era em linha, e apresentava um painel com 6 alvos. Existiam 5 alvos pontuáveis e 1 alvo proibido (NO-SHOOT). Ou seja, este último não poderia ser atingido, sobre pena de penalização.

Na pista estavam definidos dois pontos de disparo. Um a 10 metros do painel de alvos e outro a 5 metros do mesmo.
Cada elemento da equipa só podia efectuar um e um só disparo em cada um desses pontos. No primeiro ponto (10m) deveria efectuar o disparo em pé. No segundo ponto (5m) o disparo era efectuado na posição de “joelho no chão. Depois deveria correr até ao final da pista, tocar num ponto definido e voltar ao início da pista para colocar novo elemento da equipa em prova.

Cada alvo poderia ser atingido apenas duas vezes. Ou seja, tendo em conta que existiam 5 alvos pontuáveis e 5 elementos por equipa, cada um dos jogadores definia um alvo como seu objectivo. Mas tanto a ordem de entrada dos jogadores em pista, bem como o alvo a atingir era estratégia definida somente pela equipa em prova.
No final era contabilizada a pontuação, as faltas e o tempo, aplicando-se a referida fórmula de cálculo.

Quanto a faltas, tínhamos:

MISSES:
- Falta de tiros em cada alvo.

NO-SHOOT:
- Este alvo era proibido ser atingido. Logo, cada tiro neste alvo revertia em 50 pontos de falta.

PENALIZAÇÕES:
- Tiros excedentes em cada alvo pontuável.
- Disparos excedentes ou ausência de disparo, por cada posição de tiro.
- Disparo pisando ou transpondo a respectiva zona de tiro.
- Não cumprimento da posição de tiro.


SLALOM-SHOT

Neste caso existia apenas uma pista. Esta era bem mais longa, não linear, quer em forma, quer em declive. No final desta estava colocado um objectivo a ser resgatado (no nosso caso, uma mala com um sistema electrónico “altamente” secreto).

A pista contava com 12 alvos pontuáveis e 2 alvos proibidos (NO-SHOOT).

Desta vez, a equipa entrava em cena em conjunto, ou seja, avançavam os seus 5 elementos.
Os alvos pontuáveis deveriam ser todos atingidos, com um mínimo de 2 tiros cada. No final só eram contabilizadas as duas melhores pontuações em cada alvo, ao estilo TPA.
Alguns alvos possuíam obstáculos de tiro, condicionando a posição de disparo. Outros obrigavam mesmo a zonas de disparo específicas.

Já quase no final, existia uma rede pela qual deveriam passar por baixo os elementos que avançassem nessa parte da pista. Dada a colocação da rede, a passagem por baixo só era possível rastejando. Ainda debaixo da rede, existia uma zona de tiro obrigatória.
A partir do momento em que um elemento chegasse à mala e a resgatasse, não eram permitidos mais disparos. Isto obrigava à total coordenação entre a equipa, pois a táctica adoptada por cada equipa para percorrer a pista e a sequência dos alvos era livre. Assim sendo, não interessava resgatar a mala sem garantir o cumprimento dos restantes objectivos.

Já com a mala, o elemento deveria retornar ao início da pista e nesse momento o tempo de prova era contabilizado (convertido em segundos).

A soma das pontuações alcançadas por cada equipa nestas provas exteriores, ditaram o apuramento de mais uma presença na Grande Final deste evento.

E assim se passaram as duas eliminatórias definidas em dois distintos dias de provas, num total de 16 equipas, 4 das quais foram apuradas para a Grande Final deste evento.

A Grande Final ainda não tem data marcada. Será definida nos próximos dois meses, em concordância com a melhor disponibilidade das equipas apuradas.

Já está a ser estudado o formato desta Grande Final, o qual será partilhado logo após a realização da mesma.

Esperamos ter contribuído para a satisfação de qualquer curiosidade e estaremos sempre disponíveis para qualquer esclarecimento adicional.

Também serão bem-vindas novas ideias e críticas, pois é sempre bom evoluir e partilhar.


Cumprimentos.


Coligação SGS

9
Rescaldos / 1º TEAM DEATHMATCH by SGS / 2ª ELIMINATÓRIA 22/05/2011
« em: Maio 23, 2011, 03:28:30 am »
Bom dia Companheiros:

Chegou e passou o dia da 2ª eliminatória do evento “1º TEAM DEATHMATCH”.
E uma vez mais, a Coligação SGS só pode expressar a quão agradecida está a mais um leque de excelentes participantes que se apresentaram com todo o espírito desejável.

Sempre fazemos tudo para bem organizar qualquer evento.
Mas não temos dúvidas quanto ao facto de, seja que nível de organização for, o sucesso do evento está fortemente intrínseco à natureza dos seus participantes.
Estes tanto podem transformar um evento que tenha uma organização medíocre, num verdadeiro êxito, como defraudar totalmente um evento com uma organização exemplar.

Vão-nos desculpar algum narcisismo, ao afirmar que achamos que a organização apresentou um bom nível. Mas a “culpa” do excelente resultado final é imputável às equipas que, mais do que jogar, participaram activamente neste evento

É um prazer organizar eventos para praticantes de Airsoft coesos e consistentes, como os que aqui se apresentaram.

Uma vez mais, um forte e sincero obrigado.

Agora, antes de passarmos ao rescaldo das acções deste dia, fazemos questão de nos repetir nos pontos a seguir expostos.
Estes foram já apresentados no rescaldo da anterior eliminatória, mas queremos igualmente associá-los a este novo rescaldo, para perpetuarem na imagem deste evento, bem como na imagem geral SGS.
Assim sendo, salientamos algumas linhas de pensamento que regem a nossa conduta:

• Para nós, SGS, o airsoft apresenta-se como uma modalidade onde acima de tudo imperam a camaradagem, o convívio e só por fim os jogos e eventos em si.

A origem ou sediação federativa, associativista ou clubista de cada um é-nos perfeitamente irrelevante, pois para nós um jogador é primeiramente imagem do seu carácter e personalidade. Todos são bem-vindos, quer para Jogar Airsoft, quer simplesmente para conviver e partilhar.

• A SGS vê a competição no airsoft como uma outra forma de praticar a modalidade, não assumindo no entanto essa forma como única. Todos os formatos são válidos, desde que sustentados nos valores base deste desporto.

• Este desporto nasceu com uma forte base na honra e sensatez dos seus praticantes e a SGS revê-se nesse panorama.

• Não somos profissionais no airsoft, mas consideramo-nos bem vincados nos valores que este desporto visa;

• Não estamos nem nunca estaremos acima de qualquer crítica, positiva ou menos positiva, pois inclusive consideramos todas como um excelente método de nos adaptarmos a todos os modos e estilos de Airsoft. Com este ponto em mente, facilmente integramos novas linhas e somos integrados em diferentes ambientes.


Com base nos pontos acima referidos, encaramos a 2ª eliminatória deste evento, como mais uma experiência extremamente positiva.


Antes de passarmos aos factos, poderíamos reescrever tudo o que referimos no anterior rescaldo, pois tudo é igualmente aplicável a este dia.

Mas desta vez vamos poupar estas “repetições”, para saltarmos rapidamente para OS FACTOS:

• Uma vez mais, todas as equipas chegaram a horas e com prontidão a este evento…

• … mas com um ligeiro contratempo, pois infelizmente uma das equipas não pode cumprir com a sua presença, por questões pessoais perfeitamente justificáveis com dois dos seus elementos. Sabemos o desalento que os SAS Galicia sentem por não ter marcado presença, mas não temos dúvidas que não faltarão outras oportunidades.
Um abraço para “nuestros hermanos” e já sabem que serão sempre bem-vindos!

• Face ao exposto no ponto anterior e já sem possibilidade de surgir nova inscrição tão “em cima” do acontecimento, a SGS viu-se na contingência de constituir outra equipa para participar nesta eliminatória. Por motivos idênticos já tínhamos uma equipa constituída e agora passávamos a duas: SGS_1 e SGS_2.

• Uma alternativa seria realizar o evento com apenas 6 equipas. Mas como todos os participantes constataram no local, o esquema de prova exigia a existência das 8 equipas, já que só assim era garantido o nível total de competitividade e a igualdade de oportunidades entre as duas eliminatórias.

• Sempre poderá ser questionada a idoneidade da participação de equipas da organização. Mas remetendo esta questão para as linhas de pensamento que regem a nossa conduta, sentimo-nos perfeitamente à vontade para ter tomado esta decisão.
Debatemo-nos sem complexos e tentamos alcançar o máximo nas nossas prestações.
Claro está que nunca nos esquecemos que este evento não foi criado para nós, enquanto equipas, mas sim para todos os restantes participantes.
Assim sendo, antecipadamente decidimos que caso conseguíssemos atingir um apuramento para a “Grande Final”, imediatamente abdicaríamos do mesmo, pois o mérito dessa passagem pertenceria à equipa “não SGS” que atingisse a melhor classificação em qualquer dos desafios apresentados, isto é, ou no DEATHMATCH em si, ou nas Provas Complementares de SMART-SHOT e SLALOM-SHOT. E tudo se desenrolou com a naturalidade que este evento requeria.

• Voltando aos factos, propriamente ditos, passamos novamente pela etapa do “guarda-roupa”, seguindo-se as formalidades “burocráticas” e técnicas (Chrony).

• Desta vez o parágrafo da visita das autoridades não se apresenta nesta posição, pois só nos visitaram já na fase das “desmontagens” e apenas para nos cumprimentar do interior do seu veículo em marcha lenta.
É óptimo sentir o grau de confiança que existe por parte das autoridades que regem esta zona, bem como dos residentes locais.
Desde já apresentamos publicamente aqui, o nosso agradecimento às autoridades e residentes locais, bem como ao comportamento de todos os participantes que nos têm acompanhado a este ponto de “airsoft”.
É um privilégio poder contar com esta harmonia. Obrigado a todos os intervenientes!

• Repetido o processo de sorteio da edição anterior, quanto à ordenação inicial das equipas, surgiu a “luz verde” para as “festividades”.

• Foi lançada a 1ª Manga da 1ª prova de TEAM DEATHMATCH entre as duas primeiras equipas seleccionadas, enquanto outras duas iniciaram as suas provas exteriores de SMART-SHOT e uma outra entrou no SLALOM-SHOT

• Mais pormenor, menos pormenor, tudo se desenrolou à imagem da 1ª Eliminatória, pelo que remetemos as descrições para a respectiva zona de texto do rescaldo anterior.
Assim, além de não nos repetirmos, deixamos em aberto para as equipas participantes, esta parte da descrição da 2ª Eliminatória deste evento.

Apenas uma chamada de atenção: no rescaldo anterior dissemos que estas provas foram simples e enérgicas e permitiram a ocupação constante de todas as equipas.
 Não as descrevemos então, apenas para não desvendar as mesmas às equipas inscritas para a 2ª Eliminatória.
Prometemos abordar este assunto de uma forma mais aberta, apenas depois de ser concluída esta eliminatória. E assim o faremos muito em breve, talvez ainda hoje mesmo, mas bem mais tarde.
Perdoem-nos, mas como devem imaginar, estamos suficientemente esgotados e queremos urgentemente descansar, pois a Segunda-feira não perdoa!!!!
Só não podíamos deixar de colocar imediatamente este início de rescaldo.

• Claro está que este rescaldo pertence a todos os participantes desta 2ª Eliminatória deste 1º TEAM-DEATHMATCH, por isso abram alas às palavras.


Naturalmente que temos que referenciar os justos apurados desta eliminatória, para a “Grande Final” deste evento:

Combatentes do TEAM DEATHMATCH……… Equipa C20 (2º Esquadrão)

- PARABÉNS e um forte bem-haja à vossa garra. Passaram por constantes desafios e conquistaram uma merecida posição na Grande Final deste evento.
 
- Boca para barulho: não foram sujeitos a controlo antidopagem;D ;)


Vitoriosos nas Provas Complementares……… BLACK DRAGONS

- A boa disposição e a descontracção que os caracterizam nunca são entraves à abordagem séria e honesta com que nos presenteiam. E os resultados assim o confirmam!
E curiosamente, manteve-se a “tradição” da 1ª eliminatória… isto é, a equipa que de mais longe se deslocou, partiu com uma posição assegurada na Grande Final deste evento!

- Igualmente… PARABÉNS!!



Uma última mas devida repetição de palavras, quanto a agradecimentos:

• Sem dúvida alguma, a todos, mas mesmo todos os participantes. Só estamos a escrever estas linhas porque todos vós assim o permitistes, marcando presença neste desafio. Não existe organização sem jogadores. Sejam sempre bem-vindos!

APA – Associação Portuguesa de Airsoft: A disponibilidade de meios foi pronta e bastante útil. É reconfortante podermos contar com uma das maiores associações desta nossa modalidade

Loja OCaleiro www.ocaleiro.pt… sem mais detalhes de momento…!!!  ;) :D  :o ;D     

UMAREX Alemanha http://www.umarex.de/uxc.php?load=list&lv0=1&lv1=1, com acessórios singelos, mas garantidamente úteis e práticos.

A todos os nossos amigos e colaboradores, pois qualquer construção depende da sua base para se manter erguida.

Um enorme ATÉ SEMPRE a todos vós.

Coligação SGS

10
Olá colega RageDOG:

Serás bem-vindo em qualquer altura. Garantidamente não faltarão outras oportunidades.

Quanto a fotografias, para já não estamos a divulgar muitas, devido à 2ª eliminatória de decorrerá no próximo Domingo.
Isto porque o ambiente irá ser o mesmo, mas as equipas serão outras.

Como referimos, não são provas que exijam um secretismo imenso, mas apenas queremos manter o nível de informação mais ou menos idêntico para os dois dias de Eliminatórias.

Não leves a mal. Na próxima segunda-feira já poderemos disponibilizar mais material.  ;)


Abraço.


Coligação SGS

11
Em que consistiu as provas e quais foram as regras da mesmas.
Para conhecimento de todos, como decorreu a presença das autoridades perante os jogadores e seu equipamento?

Só assim se pode começar a perder medo das coisas.


Olá colega STUNTMAN:

Quanto à presença das autoridades, o colega Fragata já esclareceu alguns pontos, mas podemos acrescentar algo mais.
Naquele local de jogo, sempre que para lá fomos tivemos a visita das autoridades, pois estas sempre foram por nós informadas sobre as nossas atividades naquelas instalações.
Por acaso desta vez a comunicação antecipada até nem correu da melhor forma, pois ficou perdida entre direções opostas... isto é, como desta vez não usamos o método tradicional de contacto, mas sim através de e-mail (pois nenhum de nós tinha oportunidade de passar lá antes com o respetivo documento), algures no processo burocrático de tratamento da informação, ora terá sido enviada para a PSP, ora terá sido enviada para a GNR... enfim, não sabemos ao certo.
O que sabemos é que uma vez mais nos foram visitar no início das atividades e logo se esclareceu tudo prontamente e sem burocracia alguma.
Claro está que tínhamos connosco a autorização escrita do proprietário das instalações e um outro documento informativo passado pela APA, pois neste evento tivemos o apoio desta associação, apesar de muitos de nós estarem inscritos em ambas, isto é, APA e FPA.

A zona envolvente a esta propriedade tem uma pequena área residencial, do tipo moradias. Ou seja, é perfeitamente plausível que sempre que vejam lá algum grupo, telefonem às autoridades e estas venham averiguar, ou confirmar, pois normalmente já sabem que somos nós.

Mas neste local nunca existiu atrito algum com as autoridades, nem com os "vizinhos". E se a postura de todos os que se desloquem lá for a que sempre tem sido, não creio que alguma vez venha a existir atrito algum.

Além da boa relação e respeito mútuo com as autoridades locais, também existe o facto de a grande parte da zona do evento não ser visível do exterior. Além disso, a entrada pode ser e é bloqueada, e nesta colocamos placas com sinalética informativa de "Evento de Airsoft", "Uso obrigatório de óculos", "Acesso reservado", além de outras na zona de parqueamento, todas elas visíveis do exterior.
Perante tudo isto, impera o bom-senso de parte a parte, o que é extremamente gratificante.

Mas tal como o Fragata refere, nem todos os locais ou todas as autoridades poderão funcionar desta forma, mesmo com a conduta exemplar dos praticantes. Por isso, cada caso deverá ser sempre antecedido de um processo construtivo entre estas relações...!!

Quanto a mais pormenores sobre as provas... Não leves a mal, mas não poderemos adiantar nada de momento.
Tão somente porque no próximo Domingo existirá a 2ª Eliminatória deste TEAM DEATHMATCH e consequentes Provas Complementares, com 8 diferentes equipas. Desta 2ª eliminatória sairão 2 novos finalistas, sendo assim constituído o grupo das 4 equipas que "competirão" na Grande Final deste evento.

Por isso, aguenta só até ao próximo Domingo e com o rescaldo da 2ª eliminatória já poderemos falar abertamente dos pormenores das provas.  :-X ;) ;D ;D


Cumprimentos.


Coligação SGS

12
Rescaldos / 1º TEAM DEATHMATCH by SGS / 1ª ELIMINATÓRIA 15/05/2011
« em: Maio 16, 2011, 04:38:47 am »
Bom dia Companheiros:

 Depois da 1ª eliminatória deste evento, a Coligação SGS expressa o seu profundo agradecimento a todos os participantes que se fizeram apresentar.

 Um forte e sincero obrigado, pois qualquer evento só apresenta sucesso com a presença de todos nós, praticantes de Airsoft.

 Antes de passarmos ao rescaldo das acções deste dia, gostaríamos apenas de salientar algumas linhas de pensamento que regem a nossa conduta:

• Para nós, SGS, o airsoft apresenta-se como uma modalidade onde acima de tudo imperam a camaradagem, o convívio e só por fim os jogos e eventos em si.

A origem ou sediação federativa, associativista ou clubista de cada um é-nos perfeitamente irrelevante, pois para nós um jogador é primeiramente imagem do seu carácter e personalidade. Todos são bem-vindos, quer para Jogar Airsoft, quer simplesmente para conviver e partilhar. 

• A SGS vê a competição no airsoft como uma outra forma de praticar a modalidade, não assumindo no entanto essa forma como única. Todos os formatos são válidos, desde que sustentados nos valores base deste desporto.

• Este desporto nasceu com uma forte base na honra e sensatez dos seus praticantes e a SGS revê-se nesse panorama.

• Não somos profissionais no airsoft, mas consideramo-nos bem vincados nos valores que este desporto visa;

• Não estamos nem nunca estaremos acima de qualquer crítica, positiva ou menos positiva, pois inclusive consideramos todas como um excelente método de nos adaptarmos a todos os modos e estilos de Airsoft. Com este ponto em mente, facilmente integramos novas linhas e somos integrados em diferentes ambientes.

Com base nos pontos acima referidos, encaramos a 1ª eliminatória  deste evento, como um experiência extremamente positiva.

 Este longo dia de provas deu para tudo mesmo…!!!!
 
 Competições frenéticas, competições tímidas, corridas desenfreadas, explosões de alegria, desalentos, comentários desenfreados, gargalhadas sentidas, etc, etc, etc.
 
 Ou seja, ânimos tão ambíguos como o Mal e o Bem!!!... E no final, é extremamente motivante constatar que as histórias que nos contam “em pequeninos” afinal são verdadeiras.
 
 Isto é, o Bem triunfa sempre…!!!! YUPPIE!!! :cheers:
 
 Somos todos Seres Humanos e isso já basta para a pluralidade de sentimentos e acções numa dada situação. Mas acreditem que para qualquer organização é encantador saber que podemos contar com a sensatez e a hombridade de todos os participantes.
 
 Existe a velha máxima que diz: “A organização é soberana”!
 
 Mas é excelente promover o diálogo e o confronto de ideias “in loco” para juntos alcançarmos resoluções que nos fazem sentir integrados com os participantes, e estes por sua vez integrados com a organização.

 Os poucos pontos de discórdia foram resolvidos entre todos os intervenientes e isso só nos permite orgulhar pelo facto de sermos presenteados com um Final Feliz!!! :cheers:


Ora bem, ora bem… e os factos… e os factos???

Vamos a eles… OS FACTOS:


• Todas as equipas chegaram a horas e com prontidão a este evento.

• Tempo inicial para o tradicional “guarda-roupa” no piso superior do complexo (escrito desta forma até parece falarmos de um Hotel de 5* eheh).

• Também como tem sido habitual neste local, recebemos a visita externa das autoridades, as quais constatando uma vez mais que tudo estava de acordo com os pressupostos estipulados, nos desejaram um óptimo dia de puro divertimento. Novamente os desafiamos para participarem connosco, mas com um sorriso “ansioso” nos dizem que ainda não será desta!!!

• Passamos às formalidades “burocráticas” e ao controlo de “Chrony”.

• Apresentado o resultado do sorteio da ordenação inicial das equipas, foi dado o “tiro de partida” para esta “epopeia”.

1ª Manga da 1ª prova de TEAM DEATHMATCH: As duas respectivas equipas posicionam-se no cenário e começa a aventura.

Xiii… e as restantes 6 equipas? Que grande “seca” levaram a aguardar a sua vez, certo?

ERRADO… eheh!! Quem disse que estas iam ficar paradas, hein? Então não foram referidas provas no exterior?

• Pois bem, ao mesmo tempo que as duas primeiras equipas tratavam do seu TEAM DEATHMATCH, outras duas iniciaram as suas provas exteriores de SMART-SHOT e uma outra entrou no SLALOM-SHOT… Claro está que a partir deste parágrafo, vamos referir estas provas, mas sem nunca desvendar os seus pormenores, pois para a semana há mais uma eliminatória. Assim sendo, só no próximo rescaldo deste evento poderemos comentar mais “abertamente” outros pormenores das mesmas.

• Mas nada de outro mundo. Provas simples e enérgicas que permitiram a ocupação constante de todas as equipas.

• O descanso intermédio não foi muito premiado, pois entretanto o sistema entrou na sua rotatividade estipulada, e ora agora estava uma equipa numa prova, como de seguida já era direccionada para a seguinte… e por aí fora!!!

• Por volta das 13h, pausa geral merecida para reposição de fluidos e calorias. Foi peculiarmente agradável ver todos aqueles rostos cansados darem as boas-vindas a este descanso intermédio, mas com francos sorrisos “hasteados”.

• Em muitos casos, a reposição de fluidos e calorias foi tal, que a organização chegou a equacionar realizar testes de “antidopagem”. Mas logo perdemos toda a moral quando constatamos que vários de nós também se retemperavam a seu bel-prazer, “ostentando” os seus repastos e as suas latas de RedBull e semelhantes!!! :lol!:

14h… O “carrossel” é reiniciado e a acção volta em força. :D 

• Começam a sair os primeiros resultados para alegria de uns e sensatez dos outros. A cada passo resolvem-se situações e trocam-se congratulações entre “adversários”. :cheers:

• Muitos mais pormenores poderiam aqui ser estendidos, mas além de não querermos desvendar certos pormenores aos participantes da próxima eliminatória, este rescaldo pertence a todos os participantes desta 1ª Eliminatória do TEAM-DEATHMATCH.

Apenas uma referência directa e justa aos já apurados para grande final deste evento:

       Conquistadores do TEAM DEATHMATCH……… Equipa F.A.I.T.

       - PARABÉNS e um forte bem-haja à vossa prestação. Apresentaram-se como
         “principiantes” em eventos e sem nunca desistirem das várias adversidades e
         concorrências fortes, alcançaram o triunfo.

       - Caros colegas: as vossas BB’s são as mesmas dos “mais experientes”. Mas a
         vossa atitude está muito à frente da vossa experiência em airsoft.
         Obrigado pelo vosso ânimo prolongado, até cerca das 20h!!!!!

       - Resumindo: esforço recompensado!


       Triunfantes nas Provas Complementares……… ODA 574

       - Nuestros hermanos foram os primeiros participantes a chegar ao “cenário” e
         face aos longos quilómetros ainda a percorrer até suas casas (entre 4 e 5 horas de
         viagem), foram os primeiros a partirem do evento, mas… partiram em VITÓRIA!!!

       - Com menos sorte nas eliminatórias de TEAM DEATHMATCH, estes amigos ibéricos
         destacaram-se nas Provas Complementares. A sua disciplina de grupo e
         objectividade táctica
foram predominantes no seu sucesso. 

       - Un fuerte saludo a vosotros e hasta La Gran Final…!!!


E para finalizar este “testamento resumido”, os nossos agradecimentos:

• Sem dúvida alguma, a todos, mas mesmo todos os participantes. Só estamos a escrever estas linhas porque todos vós assim o permitistes, marcando presença neste desafio. Não existe organização sem jogadores. Sejam sempre bem-vindos!

APA – Associação Portuguesa de Airsoft: A disponibilidade de meios foi pronta e bastante útil. É reconfortante podermos contar com uma das maiores associações desta nossa modalidade

Loja OCaleiro www.ocaleiro.pt… sem mais detalhes de momento…!!! :twisted: :D :twisted: :bounce:

UMAREX Alemanha http://www.umarex.de/uxc.php?load=list&lv0=1&lv1=1, com acessórios singelos, mas garantidamente úteis e práticos.

A todos os nossos amigos e colaboradores, pois qualquer construção depende da sua base para se manter erguida.

 Um enorme ATÉ SEMPRE a todos vós.

Coligação SGS

13
Ao CAV, ao amigo Páscoa e a todos os jogadores de airsoft:

Podem contar com a nossa presença e participação.


Uma vez mais, um forte bem-haja a esta iniciativa.


Coligação SGS

14
Caros colegas & amigos:

A vida ensina-nos a ter cautela e a desconfiarmos de tudo e todos. Aliás, tende a tornar-nos pessimistas e incrédulos...

Mas existe um velho chavão que diz: "A mudança está nas nossas mãos!"

Assim sendo, a Coligação SGS tem a comentar o seguinte:

- Ao CAV e particularmente ao Páscoa (apenas por ser a pessoa que mais contactamos e que lançou este mote), um enorme bem-haja pela forte motivação lançada através deste tópico, bem como pela simplicidade e honestidade com que tudo está exposto;

- É com atitudes e posturas destas que todos podemos acreditar. Nós, Coligação SGS, acreditamos!

- As equipas SCAM / GTS / SCREAMING EAGLES formaram esta coligação, precisamente por acreditarem em algo mais global e globalizante do que uma simples "APD", ou qualquer tipo de federação.

- Não nos interessa saber a que APD ou "federação" algum clube ou jogador pertencem. Nem sequer isso se nos apresenta como factor selectivo quando simplesmente "ousamos" QUERER JOGAR AIRSOFT.

- Assim sendo, não poderíamos estar mais sintonizados com toda a exposição do CAV, através do Páscoa e do Paulo Ferraz.

- Se o objectivo é conjunto, a Coligação SGS concorda.

- Se não são ansiados "poleiros", a Coligação SGS apoia.

- Se o rumo é a modalidade e o convívio, a Coligação SGS identificar-se-á e contribuirá activamente.

- Não acreditamos na imposição de vontades nem tão pouco na perfeita sintonia de opiniões.

- Mas acreditamos na coexistência de divergências e no respeito mútuo.

- Quanto ao que já foi dito sobre a garantia de que nem tudo será perfeito num movimento desta índole, isso não nos assusta nem tão pouco nos retrai da investida.

- A Coligação SGS não é perfeita, mas tem consciência das suas imperfeições.

- Temos um processo construtivo em rumo, o qual nos pareceu algo diferente do que o Páscoa nos transmitiu no contacto telefónico que tivemos ontem pela manhã, apesar de nos identificarmos imediatamente com as suas palavras. Mas depois de absorvermos todas as exposições e comentários que um só dia deste tema gerou, sabemos agora que não estamos assim tão desviados do propósito primordial deste desafio agora lançado pelo CAV.

- Divergências existem e sempre existirão. Mas se nos concentrarmos nas nossas convergências em detrimento das divergências, humildemente constataremos que afinal, o que nos move é mesmo a modalidade e a sua prática conjunta e sadia.

- Resumindo... A partilha sustenta a continuidade e a evolução!


Há já algum tempo que analisávamos o panorama do airsoft nacional e regional. E a par deste tópico, que acreditamos poder ser o início de algo desinteressadamente grandioso e produtivo, aconselhamos a todos os participantes e visitantes deste fórum a ler e absorver as exposições de um membro deste mesmo fórum, José Costa (JSR Clube de Tiro).
Este senhor expôs sustentadamente episódios primordiais que justificam o panorama que envolve o airsoft português e que são, sem dúvida alguma, merecedores de uma análise cuidada, pois estão caracterizados pela razão.

Podemos e devemos fomentar o airsoft regional, pois é nesse que maioritariamente nos é possível participar.
Mas o espelho do nosso airsoft tem uma área superior a 92.000 km2, no qual são reflectidas as imagens de todos os jogadores do continente e das nossas ilhas!!!


CAV e ademais, sem dúvida alguma que podeis contar connosco para uma ANAP (Aliança Norte do Airsoft Português).


Um forte bem-haja a todos.


Coligação SGS

Páginas: [1]